30/05/2017

30/05/2017

[Resenha] Dom Casmurro - Machado de Assis

| |

Título: Dom Casmurro
Idioma:  Português

Gênero: Romance
 Ano: 2010

Tipo de capa: Brochura
Páginas: 189

Edição: 2
Autor: Machado de Assis

Formato: Médio 
Editora: Paulus




Sempre tive vontade de resenhar algum clássico para o blog. Li alguns durante o colegial porém não tomando nota das leituras. Decidi dar uma oportunidade a 'Dom Casmurro' e tem lá os seus motivos. 

Primeiro que fui muito cobrado para lê-lo por uma professora; Minha curiosidade se expandiu quando vi que este livro de Machado de Assis é o escrito que tornou o Brasil conhecido mundialmente na literatura e, por último, para descobrir se Capitu traiu Bentinho. 

Narrado em primeira pessoa por Bento Albuquerque Santiago, ou melhor, Bentinho. Logo o rapaz é apelidado de Dom Casmurro, que torna-se popular. 

A aproximação de Bentinho e Capitolina começou ainda quando ambos eram jovens e para não aparentar aos mais velhos estes sentimentos, procuravam ser discretos. 

“Capitu chamava-me às vezes bonito, mocetão, uma flor; outras pegava-me nas mãos para contar-me os dedos. E comecei a recordar esses e outros gestos e palavras, o prazer que sentia quando ela me passava a mão pelos cabelos, dizendo que os achava lindíssimos. Eu, sem fazer o mesmo aos dela, dizia que os dela eram muito mais lindos que os meus. Então Capitu abanava a cabeça com uma grande expressão de desengano e melancolia, tanto mais de espantar quanto que tinha os cabelos realmente admiráveis; mas eu retorquia chamando-lhe maluca.” 

Dona Glória, mãe de Bentinho, fez uma promessa antes do mesmo nascer de que, se ele vingasse, o ordenaria a igreja e assim, quando o rapaz está em idade para ser feito é cobrado para ir ao seminário. O agregado a casa, José Dias, atiça os pensamentos da viúva para que cobre de Bentinho a promessa que fizera. Lá Bentinho conhece Escobar, que se torna seu melhor amigo e o motivo da sua maior discórdia.

Escobar casa-se com Sancha e Bentinho com Capitu. Porém quando Escobar falece, Bentinho vê a esposa do amigo e sua própria esposa chorando pelo defunto. Ali crescera suas duvidas de que Capitu teria um caso ou não com seu amigo e da paternidade de um garoto chamado Ezequiel, filho de Bentinho e Capitu.



Existem personagens que vêm para contribuir com o contexto, porém a trama refere-se ao seminário de Bentinho para pagar a promessa de sua mãe e da relação dele com Capitu e as maiores desconfianças na fidelidade da moça. O autor conversa com seus leitores ao decorrer da narrativa. Justifica mais um capítulo escrito e traz pensamentos para contribuir com o entendimento. 

Os olhos de ressaca de Capitu é muito mencionado não só no livro como também vira questões de vestibular. Eu mesmo já me deparei com uma delas. O sentido é figurado, imagino numa metáfora. ‘Olhos de ressaca’ reflete a imensidão do mar em ressaca tragando tudo para si e dessa forma que fora descrito o olhar de Capitu para Bentinho. 

Uma dica muito útil para quem procura livros clássicos para leitura e tem receio de comprar ou não encontra: na Amazon possui uma seleção enorme com vários títulos gratuitos. Basta ter o aplicativo instalado e ler. 

Outra dica que confirmo eficácia, por usar muito, é a leitura da versão digital quando a leitura do físico torna-se maçante. Por ser um clássico é comum dar sono e etc e quando li pelo celular fluiu melhor. Isso vale para qualquer livro. 

O período histórico e o contexto da época em que foi escrito contribui para a narrativa.

A duvida que tive no inicio da leitura não foi sanada pois se tratando da narração em primeira pessoa temos apenas a visão de Bentinho e isso não fica claro. Imagino que este tenha sido o ponto forte da escrita, para mostrar a verdade detrás das coisas. Cada leitor terá uma observação diferente.


 O autor 

Joaquim Maria Machado de Assis (Rio de Janeiro, 21 de junho de 1839 — Rio de Janeiro, 29 de setembro de 1908) foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época. do agregado para com ele e da ousadia da moça para com os demais. O autor conversa com seus leitores ao decorrer da narrativa. Justifica mais um capítulo escrito e traz pensamentos para contribuir com o entendimento. Sobre o autor Joaquim Maria Machado de Assis (Rio de Janeiro, 21 de junho de 1839 — Rio de Janeiro, 29 de setembro de 1908) foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época.

17 comentários:

  1. Esse clássico é um dos mais lidos e mais comentados, né? Achei muito rico ver ele por aqui.
    Quando você disse que queria relê-lo para tentar descobrir a traição, eu logo pensei: "Como ele vai conseguir essa façanha?" rsrs
    Mas uma coisa eu vou lhe contar e você não vai acreditar, eu estava limpando o meu quarto hoje e achei o exemplar de Dom Casmurro e pensei em reler.
    Agora eu me deparo com a sua resenha e percebo que é um sinal dos céus. rs
    Mas eu invejo o Machadinho um bocado. Invejo pelo fato dele escrever em todos os gêneros literários. Poesias, contos, crônicas, lista de supermercado... Se estivesse vivo ele seria blogueiro, né?
    Enfim, amei sua postagem, moço!
    Parabéns pelas boas referências literárias.

    Eliziane Dias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como não invejar este grande exemplo,né?
      Olha só, quero ver você lendo pois não é apenas coincidência. Muitíssimo obrigado pelas considerações, pela passagem aqui no blog e pelo comentário. Sobre o Machado ser blogueiro eu já adoraria que acontecesse.
      Abraços

      Excluir
  2. Oie! Tudo bem?

    Infelizmente esse estilo de clássicos não faz a minha cabeça, li somente um e odiei, de verdade nunca mais cheguei perto de um! Mas para quem gosta é uma boa dica com certeza, muito válida eu por outro lado passo a dica!

    BJss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tinha o mesmo problema e não conseguia ler algum clássico. Fui dando chances, lendo aos poucos ou buscando proximidade com nossos autores levando em conta algo em comum - para entendê-los melhor - e estou conseguindo ler alguns. Deveria tentar.

      Excluir
  3. Olá!
    Nossa quanto tempo faz que li esse livro, uma vida rs..., um clássico nosso nacional, contudo devo admitir que não gosto muito da forma com que os fatos são descritos nessa narrativa, acho um pouco massante.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Percebi um pouco disso também, mas consegui terminar a leitura com aquelas dicas que dei. No final foi algo bem positivo e estou contente por ter lido Dom Casmurro.

      Excluir
  4. Oi Jhonatan.

    Há tanto tempo que li esse clássico que não lembro dos detalhes da história. É sempre bom relembrar e como tenho ele aqui em casa, e gostado da sua resenha, não resta duvida que vou adicionar na meta de leitura e lê-lo novamente. Parabéns pela resenha.

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ótima noticia, Kênia! Fico muito contente que tenha feito isso por gostado da minha resenha e espero que sua leitura seja proveitosa novamente. Abraços

      Excluir
  5. Oi, tudo bem?
    Acho que essa visão só do Bentinho é intencional rs.
    Que bom que leu um clássico e resenhou aqui. Eu adoro ler clássicos e ainda estou com Dom Casmurro na minha estante para ler. Obrigada por me lembrar que preciso ler rs.

    Livros, vamos devorá-los

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poderia Machado ser mais generoso conosco, né?
      Eu que agradeço pela visita e espero que possa ler em breve. Pretendo resenhar mais clássicos, você virá ler?

      Excluir
  6. Nossa!! Faz muitos anos que li Dom Casmurro e não lembrava que o autor conversava com o Leitor, acho que vou ler agora depois de adulta, pois certamente, terei outros aprendizados já que o meu momento de leitura será por escolha e não por obrigação. (risos)
    Adorei as suas dicas e vou segui-las.

    Bjo
    Tânia Bueno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leitura por obrigação é tão maçante - mas foi assim que peguei o gosto pelos livros. Quando era pra eu ler forçadamente só fui adiando e dessa vez li por prazer. Foi incrível!Espero que as dicas sejam proveitosas.

      Excluir
  7. Olá!
    Eu confesso que não sou muito de ler livros clássicos, mas esse está na minha lista de leitura. Sempre fico curiosa para saber se Capitu traiu Bentinho ou não.
    Amei a sua resenha e em breve lerei esse livro.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Suh!
      Espero que leia sim, será muito bom para você assim como foi pra mim. Sobre essa duvida: eu não consegui sanar HAHA
      Abraços.

      Excluir
  8. Oi.

    Confesso que comecei a ler este livro, mas parei logo no começo. Ainda quero terminá-lo, mas sempre que penso nisso, fico com muita preguiça. Talvez um dia eu leia de novo, não sei...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Usa as dicas que dei, pois contribuíram para que eu conseguisse ler este livro. Espero que termine e fico curioso sobre seu parecer. Abraços

      Excluir

Olá!

Agradecemos comentário. Ficamos contentes em tê-lo aqui no blog. Críticas são aceitas, mas qualquer xingamento ou comentários indevidos serão excluídos. Ok? Obrigado!